Mais de 11 milhões de brasileiros ainda não declararam Imposto de Renda; Prazo termina em seis dias

O prazo para a entrega do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (ano base 2019), que foi prorrogado por 60 dias devido à pandemia de covid-19, está chegando ao fim. Os contribuintes que ainda não realizaram o procedimento tem até a próxima terça-feira, dia 30 de junho, para enviarem seus documentos à Receita Federal. Até o momento, 20.771.529 de declarações foram recebidas pelo órgão governamental. O número representa cerca de 64,9% da expectativa de recebimento, que é de 32 milhões de documentos.

O alerta do contador Marcos Sá é para que as pessoas não realizem o preenchimento da declaração nas últimas horas, pois isso pode comprometer a entrega final caso ocorram imprevistos.

Nesse momento, surgem muitas dúvidas, o que é normal. No entanto, quanto antes as pessoas começarem o preenchimento das informações, menor o risco de algo dar errado, pontua.

+Veja mais

Imposto de Renda: 2º lote de restituição contempla 95,6 mil cearenses

Em regras gerais, pessoas que receberam mais de R$ 28.559,70 em 2019 devem fazer a declaração. Quem opera em bolsas, comprou ou vendeu imóvel ou carro, ou que tenham atividade rural no mesmo ano, também deve prestar contas com à Receita Federal. Ainda de acordo com o especialista Marcos Sá, outras despesas devem ser incluídas na declaração, como, por exemplo, os gastos com saúde.

Este é um ponto que requer atenção redobrada, já que despesas médicas são consideradas dedutíveis do imposto de renda e, por isso, diminuem o imposto a ser pago”, esclarece. “Outro ponto também é a declaração de valores recebidos por pensão alimentícia, que devem constar no Imposto de Renda. Neste caso, a Receita Federal divulga um programa específico que pode ser consultado no site do órgão, já que muitas pessoas esquecem de declarar esses valores, acrescenta.

A multa para o contribuinte que não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74. O valor máximo será correspondente a 20% do imposto devido.

Marcos Sá esclarece quem deve declarar o IR:

  • Cidadão que recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019;
  • Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;
  • Quem obteve, em qualquer mês de 2019, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Quem teve, em 2019, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • Quem tinha, até 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2019;
  • Quem optou pela isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias, contado da celebração do contrato de venda.

Fonte: https://cearaagora.com.br/site/mais-de-11-milhoes-de-brasileiros-ainda-nao-declararam-imposto-de-renda-prazo-termina-em-seis-dias/

Faltando 7 dias para o fim do prazo, 11 milhões de pessoas ainda não declararam IR

O prazo para a entrega do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (ano base 2019), que foi prorrogado por 60 dias devido à pandemia de covid-19, está chegando ao fim. Os contribuintes que ainda não realizaram o procedimento tem até a próxima terça-feira, dia 30 de junho, para enviarem seus documentos à Receita Federal. Até o momento, 20.771.529 de declarações foram recebidas pelo órgão governamental. O número representa cerca de 64,9% da expectativa de recebimento, que é de 32 milhões de documentos.

O alerta do contador Marcos Sá é para que as pessoas não realizem o preenchimento da declaração nas últimas horas, pois isso pode comprometer a entrega final caso ocorram imprevistos. “Nesse momento, surgem muitas dúvidas, o que é normal. No entanto, quanto antes as pessoas começarem o preenchimento das informações, menor o risco de algo dar errado”, pontua.

Em regras gerais, pessoas que receberam mais de R$ 28.559,70 em 2019 devem fazer a declaração. Quem opera em bolsas, comprou ou vendeu imóvel ou carro, ou que tenham atividade rural no mesmo ano, também deve prestar contas com à Receita Federal. Ainda de acordo com o especialista Marcos Sá, outras despesas devem ser incluídas na declaração, como, por exemplo, os gastos com saúde.

“Este é um ponto que requer atenção redobrada, já que despesas médicas são consideradas dedutíveis do imposto de renda e, por isso, diminuem o imposto a ser pago”, esclarece. “Outro ponto também é a declaração de valores recebidos por pensão alimentícia, que devem constar no Imposto de Renda. Neste caso, a Receita Federal divulga um programa específico que pode ser consultado no site do órgão, já que muitas pessoas esquecem de declarar esses valores”, acrescenta.

A multa para o contribuinte que não fizer a declaração ou entregá-la fora do prazo será de, no mínimo, R$ 165,74. O valor máximo será correspondente a 20% do imposto devido.

Quem deve declarar o IR:

  • Cidadão que recebeu rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019;
  • Contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado;
  • Quem obteve, em qualquer mês de 2019, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  • Quem teve, em 2019, receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50 em atividade rural;
  • Quem tinha, até 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300 mil;
  • Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês do ano passado e nessa condição encontrava-se em 31 de dezembro de 2019;
  • Quem optou pela isenção do imposto incidente em valor obtido na venda de imóveis residenciais cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país, no prazo de 180 dias, contado da celebração do contrato de venda.

Fonte: https://cn7.com.br/faltando-7-dias-para-o-fim-do-prazo-11-milhoes-de-pessoas-ainda-nao-declararam-ir/

Faltando menos de 15 dias para o prazo final, especialista faz alerta para que pessoas não declarem o IR nas últimas horas

Até o momento, cerca de 32 milhões de documentos foram enviados à Receita Federal, o que representa 60% da expectativa de recebimento

Em virtude da pandemia causada pelo novo coronavírus, a Receita Federal (RF) prorrogou a entrega do Imposto de Renda de Pessoas Físicas ano base 2019 por mais 60 dias. O novo prazo limite é 30 de junho, o que significa que faltam menos de 15 dias. Até o momento, foram enviadas 19.142.089 declarações, que representam cerca de 60% da expectativa de recebimento, que é de 32 milhões de documentos, segundo a Receita Federal.

O alerta do contador Marcos Sá é para que as pessoas não realizem o preenchimento da declaração na última hora, pois isso pode comprometer a entrega final caso ocorram imprevistos. “Nesse momento, surgem muitas dúvidas, o que é normal. No entanto, quanto antes as pessoas começarem o preenchimento das informações, menor o risco de algo dar errado”.

Em regras gerais, pessoas que receberam mais de R$ 28.559,70 em 2019 devem fazer a declaração. Quem opera em bolsas, comprou ou vendeu imóvel ou carro, ou que tenham atividade rural no mesmo ano, também devem prestar contas com a Receita Federal. Ainda de acordo com o especialista Marcos Sá, outras despesas devem ser incluídas na declaração, como, por exemplo, as despesas médicas.

“Este é um ponto que requer atenção redobrada, já que despesas médicas são consideradas dedutivas do imposto de renda e, por isso, diminuem o imposto a ser pago”, pontua. “Outro ponto também é a declaração de valores recebidos por pensão alimentícia, que devem constar no Imposto de Renda. Neste caso, a Receita Federal divulga um programa específico que pode ser consultado no site do órgão, já que muitas pessoas esquecem de declarar esses valores”, acrescenta.

Entre outras dicas o contador lista:

Rendimento

Reúna informes de rendimento para que na declaração tenha o somatório ao decorrer do ano. Para não se esquecer de cadastrar todas as fontes pagadoras, o recomendado é ir juntando ao longo do ano, mas caso não ocorra isso é preciso que o declarante fique atento para não esquecer alguma fonte, nem de guardar todos comprovante de recebimento.

Benfeitorias nos imóveis

Na declaração de imóveis é possível diminuir o valor do imposto caso o proprietário tenha feito alguma benfeitoria na propriedade antes de vendê-la.

Dados compatíveis

No Imposto de Renda a movimentação financeira precisa ser compatível com as faturas dos cartões da pessoa física, além de ser conivente com a vida exposta nas mídias sociais, já que esse cruzamento é feito pela Receita Federal.

Doações

Doações também precisam ser declaradas, sejam elas recebidas ou doadas.

 

Fonte: https://portalinterative.blogspot.com/2020/06/junho-faltando-menos-de-15-dias-para-o.html

Prazo final IRPF: especialista faz alerta para que pessoas não declarem o Imposto de Renda nas últimas horas

Até o momento, cerca de 32 milhões de documentos foram enviados à Receita Federal, o que representa 60% da expectativa de recebimento

Imagem: Divulgação

Em virtude da pandemia causada pelo novo coronavírus, a Receita Federal (RF) prorrogou a entrega do Imposto de Renda de Pessoas Físicas ano base 2019 por mais 60 dias. O novo prazo limite é 30 de junho, o que significa que faltam menos de 15 dias. Até o momento, foram enviadas 19.142.089 declarações, que representam cerca de 60% da expectativa de recebimento, que é de 32 milhões de documentos, segundo a Receita Federal.

Anúncios

O alerta do contador Marcos Sá é para que as pessoas não realizem o preenchimento da declaração na última hora, pois isso pode comprometer a entrega final caso ocorram imprevistos. “Nesse momento, surgem muitas dúvidas, o que é normal. No entanto, quanto antes as pessoas começarem o preenchimento das informações, menor o risco de algo dar errado”.

Em regras gerais, pessoas que receberam mais de R$ 28.559,70 em 2019 devem fazer a declaração. Quem opera em bolsas, comprou ou vendeu imóvel ou carro, ou que tenham atividade rural no mesmo ano, também devem prestar contas com a Receita Federal. Ainda de acordo com o especialista Marcos Sá, outras despesas devem ser incluídas na declaração, como, por exemplo, as despesas médicas.

“Este é um ponto que requer atenção redobrada, já que despesas médicas são consideradas dedutivas do imposto de renda e, por isso, diminuem o imposto a ser pago”, pontua. “Outro ponto também é a declaração de valores recebidos por pensão alimentícia, que devem constar no Imposto de Renda. Neste caso, a Receita Federal divulga um programa específico que pode ser consultado no site do órgão, já que muitas pessoas esquecem de declarar esses valores”, acrescenta.

Entre outras dicas o contador lista:

Anúncios

Rendimento

Reúna informes de rendimento para que na declaração tenha o somatório ao decorrer do ano. Para não se esquecer de cadastrar todas as fontes pagadoras, o recomendado é ir juntando ao longo do ano, mas caso não ocorra isso é preciso que o declarante fique atento para não esquecer alguma fonte, nem de guardar todos comprovante de recebimento.

Benfeitorias nos imóveis

Na declaração de imóveis é possível diminuir o valor do imposto caso o proprietário tenha feito alguma benfeitoria na propriedade antes de vendê-la.

Dados compatíveis

No Imposto de Renda a movimentação financeira precisa ser compatível com as faturas dos cartões da pessoa física, além de ser conivente com a vida exposta nas mídias sociais, já que esse cruzamento é feito pela Receita Federal.

Doações

Doações também precisam ser declaradas, sejam elas recebidas ou doadas.

Fonte: https://xafurdoeleriado.home.blog/2020/06/19/prazo-final-irpf-especialista-faz-alerta-para-que-pessoas-nao-declarem-o-imposto-de-renda-nas-ultimas-horas/

Especialista alerta para prazo de declarações do Imposto de Renda

Em virtude da pandemia causada pelo novo coronavírus, a Receita Federal (RF) prorrogou a entrega do Imposto de Renda de Pessoas Físicas ano base 2019 por mais 60 dias. O novo prazo limite é 30 de junho, o que significa que faltam menos de 15 dias. Até o momento, foram enviadas 19.142.089 declarações, que representam cerca de 60% da expectativa de recebimento, que é de 32 milhões de documentos, segundo a Receita Federal.
O alerta do contador Marcos Sá é para que as pessoas não realizem o preenchimento da declaração na última hora, pois isso pode comprometer a entrega final caso ocorram imprevistos. “Nesse momento, surgem muitas dúvidas, o que é normal. No entanto, quanto antes as pessoas começarem o preenchimento das informações, menor o risco de algo dar errado”, explica.
Em regras gerais, pessoas que receberam mais de R$ 28.559,70, em 2019, devem fazer a declaração. Quem opera em bolsas, comprou ou vendeu imóvel ou carro, ou que tenham atividade rural no mesmo ano, também devem prestar contas com a Receita Federal.

Despesas
Ainda de acordo com o especialista Marcos Sá, outras despesas devem ser incluídas na declaração, como, por exemplo, as despesas médicas. “Este é um ponto que requer atenção redobrada, já que despesas médicas são consideradas dedutivas do imposto de renda e, por isso, diminuem o imposto a ser pago”, pontua. “Outro ponto também é a declaração de valores recebidos por pensão alimentícia, que devem constar no Imposto de Renda. Neste caso, a Receita Federal divulga um programa específico que pode ser consultado no site do órgão, já que muitas pessoas esquecem de declarar esses valores”, acrescenta.

 

Fonte: https://www.oestadoce.com.br/economia/especialista-alerta-para-prazo-de-declaracoes-do-imposto-de-renda/

Fechamento de empresas no Ceará cai 16,15% em 2020

De janeiro a maio, 11,2 mil empresas fecharam. São 2,1 mil a menos em igual período de 2019. Ritmo de abertura de empresas também caiu em 6,37%Por 

Balanco de empresas no Ceara
Balanco de empresas no Ceara

De janeiro a maio deste ano, pouco mais de 11,2 mil empresas fecharam as portas no Ceará. Os dados da Junta Comercial do Ceará (Jucec) mostram que, apesar de fortes medidas de restrição de funcionamento das atividades econômicas por conta da pandemia, iniciadas em março, este quantitativo é 16,15% menor do que em igual período do ano passado. O ritmo de abertura no período também caiu 6,37%, em relação a 2019.

Ainda assim, o saldo entre abertura e fechamento de empresas em 2020 ficou positivo em pouco mais de 20,5 mil. Ao todo, o Ceará tem hoje 608.299 negócios ativos. Destes, 31.749 se formalizaram nos primeiros cinco meses do ano.

“O balanço das atividades econômicas possibilita uma aproximação das demandas de mercado crescentes na região e mostram que, apesar da crise de saúde, ainda temos um grande número de empresas se formalizando. Ao comparar os dados do mesmo período do ano passado, verificamos que o comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios foi a atividade com maior número de MEIs (microempreendedores individuais) registrados”, afirma a presidente da Jucec, Carolina Monteiro.

A desaceleração na trajetória de abertura fica mais acentuada na virada de março para abril, quando o número de formalizações cai de 7,2 mil por mês para 4,6 mil. Em maio, foram registrados 4,1 mil novos entrantes. Por outro lado, o pico de fechamento de empresas no Estado neste ano ocorreu em janeiro (3,1 mil). Em abril e maio as baixas foram, respectivamente, de 1,6 mil e 1,4 mil.

O consultor financeiro, Marcos Sá, acredita que esses números refletem a grave crise econômica que o Brasil está imerso nos últimos anos. “Estamos caminhando num cenário recessivo desde 2013, com diversos fatores que prejudicaram o desenvolvimento das empresas: pré-impeachment, impeachment, eleições, greve dos caminhoneiros e agora a pá de cal com os desdobramentos da pandemia na economia“.

Ele pondera também que as baixas decorrentes das restrições impostas pelas políticas de isolamento ainda serão refletidas de forma mais precisa mais na frente. “Na prática, leva um tempo. Muitas empresas que fecham as portas da atividade não conseguem dar baixa de imediato na razão social“.

Para o economista Vitor Leitão era esperado que o número de fechamentos fosse maior neste ano, por causa da pandemia, mas isso pode estar relacionado ao fato que as pessoas estão esperando ver o que vai acontecer. Na avaliação dele, medidas como as flexibilizações trabalhistas, de impostos e aumento no volume de crédito disponível têm contribuído para sobrevida de muitas empresas.

Os dados da Jucec mostram que o comportamento das empresas também varia de acordo com o tipo de atividade. Comércio foi o que menos abriu na comparação entre 2019/2020, mas também o que menos fechou. Em números absolutos, serviços quem mais ganhou empresas em 2020 (17,8 mil) e o que mais perdeu (5,8 mil).

Fonte: https://mais.opovo.com.br/jornal/economia/2020/06/11/fechamento-de-empresas-no-ceara-cai-16-15–em-2020.html

SIMPLES NACIONAL – Simples Nacional defere mais da metade das solicitações para 2020

Simples Nacional (Foto: Google/ Reprodução)

Simples Nacional (Foto: Google/ Reprodução)

Empresas tinham até 31 de janeiro para apresentar termo de opção

A Receita Federal informa que, ao final do processamento das solicitações de opção pelo Simples Nacional, 674.468 pedidos foram recebidos. Desse total, 379.880 (56%) foram deferidos. Outros 54.353 pedidos foram cancelados e 240.235 indeferidos. As empresas tinham até 31 de janeiro de 2020 para que apresentassem as solicitações de opção.

O termo de indeferimento relativo a pendências na Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB) ou na Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional pode ser acessado por meio do Domicílio Tributário Eletrônico do Simples Nacional (DTE-SN) ou pode ser consultado na funcionalidade de acompanhamento (http://www8.receita.fazenda.gov.br/SimplesNacional/Servicos/Grupo.aspx?grp=t&area=1). Os termos emitidos pelos demais entes federados observarão as formas de notificação previstas na respectiva legislação.

A contestação ao indeferimento da opção deverá ser protocolada diretamente na administração tributária (RFB, Estado, Distrito Federal ou Município) que apontou as irregularidades que vedaram o ingresso ao regime.”

Fonte: RFB

Sociedade Limitada: o que é e quais são suas vantagens?

Você já deve estar cansado de ver por aí, no final do nome das empresas, a expressão Ltda. Mas será que você sabe exatamente do que se trata e quais são as implicações para uma empresa e seus sócios quando ela é uma Sociedade Limitada?

Para te ajudar com isso elaboramos este artigo onde, ao final, você saberá o que é uma sociedade limitada, suas característica, vantagens e desvantagens e entenderá a importância de escolher corretamente o tipo de empresa que se deseja ter.

Acompanhe e boa leitura!

O que é uma Sociedade Limitada?

Para garantir a segurança do empreendedor e de seus sócios, no momento em que se resolve abrir um negócio é preciso escolher com cuidado qual será o tipo da empresa.

Deve-se também observar todas as etapas e procedimentos previstos em lei. Trata-se de  um processo burocrático e lento, mas extremamente necessário para que o negócio comece bem estruturado e que não se tenha surpresas desagradáveis no futuro.

E quando falamos de tipos de empresa, as de Sociedade Limitada, as famosas Ltda, são a grande maioria no país, sendo usadas até mesmo na constituição de holdings familiares.

Regulamentada pelo artigo 1052 do Código Civil Brasileiro, ela é uma empresa formada por dois ou mais sócios que são responsáveis pelo seu bônus e seu ônus de forma limitada. Ou seja, cada um dos sócios tem uma participação definida, baseada na sua contribuição nas cotas da empresa.

Art. 1.052. Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem solidariamente pela integralização do capital social.

Sociedade Limitada existe para possibilitar a abertura de empresas que sejam baseadas exclusivamente no investimento de cada sócio para formar o seu capital social.

Neste tipo de empresa, o capital investido por cada um dos sócios é o que vai definir sua participação no negócio e as contas pessoais de cada um são separadas das contas da empresa, sendo a responsabilidade limitada sobre as últimas.

Dessa forma, havendo falência, rompimento da sociedade ou dissolução da empresa, o capital pessoal dos sócios fica protegido e não responde pelas dívidas da empresa.

Por fim, importante destacar que a Lei 12.441/2011 trouxe uma importante mudança na legislação que regula o funcionamento das sociedades limitadas. A partir dela, a Sociedade Limitada não precisa mais de dois ou mais sócios, podendo ser aberta por um único empreendedor. É a chamada Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI). Trata-se de uma forma encontrada pelo legislador de garantir a separação entre deveres e direitos de pessoas físicas e pessoas jurídicas.

Como fazer o registro de uma Sociedade Limitada?

O registro de uma Sociedade Limitada deve ser feito na Junta Comercial da cidade onde funcionará a sede da empresa. Lá, serão solicitadas algumas inscrições nos órgãos regulatórios, como por exemplo:

  • Receita Federal para emissão do CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica);
  • Prefeitura para obter o alvará de funcionamento;
  • Secretaria da Fazenda para emitir a inscrição estadual e o ICMS.

Além disso, dependendo da natureza do negócio, poderá ser preciso também a inscrição em órgãos específicos, tais como a Vigilância Sanitária.

Quais são as vantagens e desvantagens de uma Sociedade Limitada?

Agora que você já sabe o que é uma Sociedade Limitada, veremos quais são as vantagens e desvantagens desse tipo societário.

Vantagens

  • Cada sócio detém uma responsabilidade proporcional ao valor das cotas que subscreveu dentro do capital social;
  • Apesar de ser constituída por cotas individuais no capital social, todos os sócios devem atuar de forma integrada para o adequado funcionamento do negócio;
  • A remuneração de cada sócio é proporcional ao investimento realizado, o que torna a distribuição dos lucros muito mais simples;
  • Uma vez que os sócios não podem usar os bens ou contas da empresa para uso pessoal, a autonomia da empresa é preservada;
  • Se a empresa tiver algum prejuízo, os sócios são impedidos de fazer retiradas, com isso a estabilidade do negócio fica preservada;
  • Se algum sócio descumprir o contrato, ele poderá ser excluído facilmente da empresa, evitando maiores danos para o negócio;
  • Não há limite para o capital social, podendo os sócios fixar o valor que entenderem mais conveniente;
  • Uma Sociedade Limitada tem maior capacidade de reunir investimentos, já que mais pessoas podem participar do empreendimento;
  • Maior facilidade de crédito, já que se trata de um tipo de empresa que oferece mais segurança aos credores;
  • Já que existem mais pessoas participando do negócio, mais profissionais podem contribuir com sua experiência para o crescimento da empresa.

Como você pôde perceber, as vantagens da Sociedade Limitada são muitas e não é à toa que ela é um dos modelos mais procurados pelos empreendedores brasileiros quando desejam abrir um negócio.

7 vantagens de manter a sua contabilidade em dia

Contabilidade (Foto: Google/ Reprodução)

Além de ser um procedimento obrigatório, manter a documentação, as finanças e os tributos em dia se constituem em um grande diferencial de mercado para a sua empresa.

Organização e planejamento. É difícil imaginar o sucesso de uma empresa sem levar em consideração essas duas variáveis. Desde o uso de softwares de gestão contábil até a adoção de estratégias eficiente para os negócios, qualquer diferencial que possa torná-lo mais competitivo é importante.

É por essa razão que os aspectos financeiros, contábeis e tributários não devem ser negligenciados. É a correta gestão dessas informações que permite que o empresário tenha subsídios suficientes para tomar decisões, fazer investimentos e obter diagnósticos do rumo que os negócios estão tomando.

Portanto, que a contabilidade em dia é fundamental para qualquer empresa não resta dúvidas. Porém, você sabe quais são as vantagens reais de ter esse fator sob controle? Aqui, listamos 7 benefícios que vão pesar positivamente na sua balança.

  1. Manter o controle financeiro da sua empresa

A primeira razão é óbvia, mas ainda assim muitas empresas negligenciam esse fator. Manter a contabilidade em dia significa ter maior controle financeiro sobre a companhia como um todo. Ela torna possível, por exemplo, prever se os recebíveis de um determinado período serão suficientes para cobrir as despesas.

Da mesma forma, torna-se possível provisionar valores para despesas futuras (como o pagamento do 13º Salário) ou ainda separar parte do capital para investimentos, sem que isso comprometa o fluxo de caixa. Esse diagnóstico só é possível se a “fotografia” contábil estiver em dia.

  1. É uma segurança jurídica para a companhia

Fatos que dependam de perícia contábil podem facilmente ser comprovados em juízo se a sua contabilidade estiver em dia. Muitas vezes, funcionários mal-intencionados se aproveitam de brechas e falhas no planejamento contábil para confrontar informações que são difíceis de serem comprovadas posteriormente. Estar em dia, portanto, é se precaver dessas situações.

O mesmo vale para as contestações trabalhistas. Infelizmente, ainda é grande o número de empresas que deixam de lado certas obrigações na expectativa de que os funcionários não percebam ou não busquem seus direitos. Não é o correto a se fazer. Manter a contabilidade em dia significa honrar todas as obrigações, conforme manda a legislação.

  1. Facilita a obtenção de linhas de crédito

Quando uma empresa precisa obter financiamento, por qualquer motivo que seja, recorre a instituições financeiras. Estas, por sua vez, antes de realizarem empréstimos solicitam uma série de garantias para que possam compreender a capacidade que aquela companhia tem de honrar suas dívidas.

Fica extremamente complicado comprovar que a empresa está fazendo a sua parte quando nem mesmo a contabilidade é gerida de forma correta. A falta de documentos comprobatórios ou mesmo a ausência do registro dessas informações é algo que pesa contra nessas horas. O banco pode considerar o empréstimo mais arriscado e as taxas de juros, provavelmente, serão maiores.

  1. Facilita eventuais comprovações que os sócios necessitem

Manter a contabilidade em dia traz benefícios diretos também para os sócios da empresa. Primeiramente, torna-se possível a apuração de lucro para distribuição a eles sem a incidência de tributos. É, portanto, uma forma de investimento, pois permite reduzir os gastos desnecessários ou decorrentes de atrasos.

Além disso, a correta aplicação das regras contábeis mostra aos sócios a real situação patrimonial de uma empresa, seja ela positiva ou negativa. Isso facilita bastante a eventual saída de sócios como também possíveis vendas de cotas de participação sem que haja maiores entraves burocráticos.

  1. Sua empresa fica dentro da lei

O Novo Código Civil Brasileiro exige a prestação de contas por parte dos administradores, conforme destaca o Artigo 1020.

Art. 1.020. Os administradores são obrigados a prestar aos sócios contas justificadas de sua administração, e apresentar-lhes o inventário anualmente, bem como o balanço patrimonial e o de resultado econômico.

Além disso, em casos de requerimento de recuperação judicial, também é necessário apresentar os livros contábeis rigorosamente em dia, conforme o artigo 7 da Lei 11.101/2005.

Art. 7. A verificação dos créditos será realizada pelo administrador judicial, com base nos livros contábeis e documentos comerciais e fiscais do devedor e nos documentos que lhe forem apresentados pelos credores, podendo contar com o auxílio de profissionais ou empresas especializadas.

  1. Acompanhamento em tempo real da situação financeira

Você não precisa esperar até o final do mês para emitir relatórios e descobrir se as coisas estão indo bem ou mal para a sua empresa. Essa é uma das grandes vantagens em se utilizar softwares de gestão contábil. Além de automatizarem diversas funções, eles permitem que você tenha uma visão do todo em tempo real.

As vantagens de utilizar softwares como esse não param por aí. Os gestores da sua empresa passarão a ter acesso online, a partir de qualquer lugar, aos dados de entradas e saídas. Além disso, essas soluções reduzem os trabalhos manuais e aumentam a agilidade, permitindo que os profissionais contábeis dediquem mais tempo à análise das informações do que ao simples preenchimento de dados.

  1. Crie uma cultura de resultados

Por fim, manter a contabilidade em dia é o primeiro passo para criar uma cultura de resultados em sua empresa. Muitas companhias tentam implantar políticas de qualidade e participação dos colaboradores, mas se esquecem de cumprir a sua parte, ou seja: fazer os pagamentos em dia e registrar corretamente as movimentações financeiras.

Quando a base sobre a qual esses fundamentos são construídos é sólida, as chances de que as ações de qualidade sejam bem recebidas pelos funcionários aumentam. Em outras palavras, quando tudo está organizado, as pessoas tendem a serem mais organizadas também, gerando um cenário no qual todos saem ganhando.

Os itens acima, de 1 a 7, são apenas um resumo entre as muitas possibilidades de benefícios que manter a contabilidade em dia traz para um negócio. Se por alguma razão a sua empresa ainda não faz parte desse grupo, considere hoje mesmo adotar soluções e ferramentas que tornem possível deixar esse aspecto do seu negócio em conformidade com a legislação. A sua empresa só tem a ganhar com ações como essas.