Posts

VENDAS DE FINAL DE ANO: MOVIMENTAÇÃO ECONÔMICA DURANTE O PERÍODO

A economia brasileira tem vivido momentos de muitas incertezas, sobretudo nos últimos dois anos. Com a pandemia, muitas empresas ficaram fechadas, outras passaram por migração para o online e, de forma geral, grande parte precisou se reinventar para seguir de portas abertas. Com o processo gradual de retorno das atividades econômicas, veio também a esperança de um alívio financeiro. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) a perspectiva é que o ano de 2021 encerre com crescimento de 4,9%. Um dos períodos de maior expectativa para contribuir para o saldo positivo são as vendas de final de ano.

 

De acordo com uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com a Offer Wise Pesquisas, prevê que 123,7 milhões de pessoas devem ir às ruas para compras de presentes, com possibilidade de injetar aproximadamente R$ 68,4 bilhões na economia brasileira. Mesmo diante da possibilidade de bons resultados, o contador Marcos Sá também destaca os desafios que o período vai trazer. “O segundo semestre é sempre mais favorável do que o primeiro, tendo em vista as festas de final de ano naturalmente ocorre um aquecimento da economia. Eu acredito que esse nosso segundo semestre, por estarmos saindo de uma pandemia com longo período recessivo, vai ser um pouco mais desafiador do que os outros”, pontua. Apesar da precaução, o especialista também acredita que o período festivo deve dar um respiro para muitos empresários.

 

Entre os setores mais aquecidos, devem se destacaro de alimentos e vestuários, impulsionados pelas confraternizações. O que ainda tem deixado muitos brasileiros preocupados e receosos é a alta da inflação, que tem contribuído para um aumento excessivo de preços no país. Para Marcos Sá é necessário regularizar o fluxo entre oferta e demanda para normalizar a situação. “O essencial é que a gente possa voltar a ter um fluxo normal de atendimento da demanda, nós temos ainda alguns produtos faltando por conta de falta de matéria-prima quando tivermos uma equalização, eu acredito que essa inflaçãotende a diminuir ou até mesmo a voltar a patamares anteriores à pandemia”, destaca o contador. Já encaminhando para os dias finais de 2021, o Natal se destacou pela movimentação econômica. De acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), houve um crescimento de 11% nas vendas de 2021 em comparação com o ano anterior.

Para construção dos números, foi analisado o período de 19 a 25 de dezembro, registrando-se uma alta de 38,6% no e-commerce e 8,8% nas vendas físicas. Entre os setores, o Turismo liderou com uma alta de 73%, seguido por Livrarias, Papelarias e Afins com 15,9%. Entre os estados, o que mais se destacou foi Santa Catarina, com um crescimento de 14,4%, seguido pelo Rio de Janeiro (13,3%) e Minas Gerais (9,3%). Com o encerramento oficial das vendas de final de ano, os números podem ser ainda

13º salário: especialista ajuda a decidir prioridades para organização financeira

O 13º salário vem como um alívio para boa parte da população, ele é um salário a mais perante 12 meses de trabalho, ou seja, funciona como um bônus pelo serviço prestado.

Além de ser um direito para o trabalhador regulamentado pela CLT, ele também funciona para impulsionar a economia do país.

A primeira parcela do 13º foi paga até o dia 30 de novembro, e a segunda deverá ser quitada até 20 de dezembro. Por isso, antes das festas de final de ano todos os trabalhadores de carteira assinada já devem ter em mãos as duas parcelas do bônus salarial.
O décimo terceiro sempre é muito esperado por parte da população que aproveita o valor para resolver pendências financeiras e até mesmo realizar compras sem sair do orçamento planejado.

Em 2021, o bônus é ainda mais aguardado, tendo em vista o difícil cenário econômico que o brasileiro está enfrentando. De acordo com o Serasa, o país possui mais de 63 milhões de endividados, maior índice de inadimplência desde julho de 2020.

“Temos enfrentado muitos desafios econômicos, sobretudo nos últimos dois anos, o que enfraqueceu nossa economia. O desequilíbrio entre oferta e demanda acabou ocasionando a alta de preços, sem contar na taxa de desempregados no país. Tudo isso contribui para que a população esteja mais endividada e com dificuldades de cumprir com todos os compromissos financeiros”, destaca o contador e consultor financeiro, Marcos Sá.

Dentro dessa realidade, é importante saber usar o décimo terceiro de acordo com as necessidades. O contador Marcos Sá separou algumas dicas para quem está buscando tomar a melhor decisão para aproveitar o décimo terceiro.

1. Quite as dívidas
Faça um levantamento das dívidas pendentes e organize em ordem de prioridade para quitar os débitos. Com o dinheiro em mãos é possível negociar valores e conseguir desconto junto aos credores.

Ao usar o dinheiro extra para pagar dívidas já adquiridas, é possível começar o ano seguinte com as contas no azul e sem comprometer a organização financeira dos próximos salários que serão recebidos.

“Muitas pessoas esperam o décimo terceiro para realizar compras de final de ano. Mas, se você tem débitos pendentes, o ideal é usar o dinheiro para pagar as dívidas e evitar que uma bola de neve de contas atrasadas comprometa ainda mais o orçamento”, frisa Marcos Sá.

2. Compras de final de ano
Já para quem não tem dívidas pendentes, usar o décimo terceiro para as compras de final de ano pode ser uma boa opção.

Com a chegada das festas de natal e ano novo, as reuniões entre amigos, família e colegas de trabalho ficam mais frequentes, sendo assim o salário extra pode ajudar na organização das comemorações, que geralmente envolvem a troca de presentes.

Uma outra forma de usar dinheiro é fazer comprar algo para uso próprio, e que muitas vezes não se encaixa no orçamento mensal. De toda forma, é importante conhecer bem as finanças para não gastar além do que é possível.

3. Crie a sua reserva de emergência

Diferente do que pode ser para alguns, não é necessário gastar todo o dinheiro do décimo terceiro só porque recebeu um salário extra.
Uma ótima opção é usar o valor para iniciar a própria reserva de emergência, que vai ficar disponível para imprevistos que podem acontecer.
Depois, é possível se organizar para guardar uma quantia do salário todos os meses.

fonte: https://www.focus.jor.br/13o-salario-especialista-ajuda-a-decidir-prioridades-para-organizacao-financeira/

https://oestadoce.com.br/ultimas/13o-salario-especialista-ajuda-a-decidir-prioridades-para-organizacao-financeira/

https://lazaromedeiros.com.br/noticias/rapidas/13o-salario-especialista-ajuda-a-decidir-prioridades-para-organizacao-financeira/

https://www.siaranews.com.br/13o-salario-especialista-ajuda-a-decidir-prioridades-para-organizacao-financeira/

Fiscalização entre profissionais contábeis: entenda benefícios

Ação do Conselho Federal de Contabilidade e da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho visa identificar exercícios ilegais e aumentar transparência.

O exercício da profissão contábil será fiscalizado. É o que diz o acordo firmado entre o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT), vinculada ao Ministério da Economia. A formalização é de cooperação técnica entre os dois órgãos com o intuito de identificar pessoas que trabalham como contadores e técnicos em contabilidade, mas que atuam sem registro profissional.

Tem-se como base a importância da Resolução nº 1.554/2018 que determina que somente contadores ou técnicos em contabilidade que possuem o registro no Conselho Regional de Contabilidade (CRC) podem atuar como profissionais contábeis em qualquer modalidade da atividade. A legislação atual diz que são profissionais contábeis: contadores (graduados em Ciências Contábeis) e técnicos em Contabilidade (ensino médio).

A fiscalização beneficia a categoria e traz mudanças importantes para as pessoas que utilizam os serviços da área contábil, como: perícias judiciais ou extrajudiciais, revisão de balanços e de contas em geral, execução de serviços de contabilidade em geral etc. Marcos Sá, contador e consultor financeiro, explica sobre as vantagens da alteração no setor.

“Para o cliente que utiliza os serviços contábeis, essa mudança é essencial, porque busca evitar golpes e outros crimes. Na insegurança que vivemos hoje, é importante verificar sempre o registro profissional da pessoa que confiamos nossas finanças”, afirma o contador.

A fiscalização pode gerar ainda notificações para as pessoas e empresas identificadas no exercício ilegal da profissão. Na fase inicial da implementação, os profissionais que já foram aprovados no Exame de Suficiência, mas ainda estão atuando sem registro, terão o prazo de 15 dias para que possam se regularizar junto aos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCS). “Essa decisão é necessária para que haja uma transparência entre o contador ou técnico em contabilidade junto ao cliente”, ressalta o Marcos.

Essa transparência é ainda mais facilitada, visto que o Conselho Federal de Contabilidade, em seu site, possibilita que a pessoa verifique se o profissional que contratou possui o registro contábil. Para acessar, basta ter o nome e o sobrenome do contador ou técnico. Marcos Sá ainda complementa, “além da transparência, o combate ao exercício ilegal da profissão também é fator preponderante na fiscalização”.

Fonte: https://www.cearaemoff.com.br/noticias/fiscalizacao-entre-profissionais-contabeis-entenda-beneficios

https://www.opiniaoce.com.br/noticia/fiscalizacao-entre-profissionais-contabeis-entenda-beneficios

https://www.siaranews.com.br/fiscalizacao-entre-profissionais-contabeis-entenda-beneficios/