Trabalhos formais e informais crescem no Ceará, segundo pesquisas

rescimento dos dois mercados cria uma expectativa positiva para este ano

O ano de 2019 tem oferecido novas expectativas para o mercado trabalhista no Ceará. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), no fim de janeiro deste ano, foram gerados mais de 23.081 vagas de emprego no Estado e os setores de serviços, indústria de transformação e comércio são os responsáveis por essa expansão.

Mesmo com a possibilidade de aumento do trabalho formal, ou seja, aquele em que o trabalhador tem a carteira assinada, os trabalhos informais ainda estão em alta e são responsáveis pela renda de muitos brasileiros. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no quarto trimestre do ano de 2018, o número de trabalhadores sem carteira assinada ou por conta própria alcançou o número de 35,3 milhões de pessoas, enquanto o de trabalhadores formais era de 33 milhões.

Para o consultor Marcos Sá o trabalho informal foi uma forma encontrada por muitos para ultrapassarem a crise financeira que o país viveu e segundo ele esse ramo do setor trabalhista pode ser promissor. ‘’ Muitos dos cearenses desempregados aderiam ao trabalho informal e o tiveram como única saída para a obtenção de renda. Ainda que o trabalho por conta própria não ofereça tanta estabilidade, esse tipo de trabalho pode ser um bom negócio’’. A reforma na lei trabalhista é um exemplo, segundo o consultor, que estimula o trabalho informal.

Especialistas apontam que o crescimento em ambas áreas do setor trabalhista, formal e informal, traz inúmeros benefícios para o Estado, a começar pela geração de emprego e renda, e consequente diminuição da taxa de desemprego. O contador Marcos Sá reforça essa ideia e pontua que podem ser encontradas vantagens e desvantagens em ambos tipos de trabalho, mas que independentemente do tipo de atividade ofertada ou possível de ser executada o mais importante é estar inserido no mercado de trabalho.

fonte: http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/investe-ce/2019/02/28/trabalhos-formais-e-informais-crescem-no-ceara-segundo-pesquisas/

Trabalhos formais e informais crescem no Ceará, segundo pesquisas

_Crescimento dos dois mercados cria uma expectativa positiva para este ano_

O ano de 2019 tem oferecido novas expectativas para o mercado trabalhista no Ceará. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), no fim de janeiro deste ano, foram gerados mais de 23.081 vagas de emprego no Estado e os setores de serviços, indústria de transformação e comércio são os responsáveis por essa expansão.

Mesmo com a possibilidade de aumento do trabalho formal, ou seja, aquele em que o trabalhador tem a carteira assinada, os trabalhos informais ainda estão em alta e são responsáveis pela renda de muitos brasileiros. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no quarto trimestre do ano de 2018, o número de trabalhadores sem carteira assinada ou por conta própria alcançou o número de 35,3 milhões de pessoas, enquanto o de trabalhadores formais era de 33 milhões.

Para o consultor Marcos Sá o trabalho informal foi uma forma encontrada por muitos para ultrapassarem a crise financeira que o país viveu e segundo ele esse ramo do setor trabalhista pode ser promissor. ‘’ Muitos dos cearenses desempregados aderiam ao trabalho informal e o tiveram como única saída para a obtenção de renda. Ainda que o trabalho por conta própria não ofereça tanta estabilidade, esse tipo de trabalho pode ser um bom negócio’’. A reforma na lei trabalhista é um exemplo, segundo o consultor, que estimula o trabalho informal.

Especialistas apontam que o crescimento em ambas áreas do setor trabalhista, formal e informal, traz inúmeros benefícios para o Estado, a começar pela geração de emprego e renda, e consequente diminuição da taxa de desemprego. O contador Marcos Sá reforça essa ideia e pontua que podem ser encontradas vantagens e desvantagens em ambos tipos de trabalho, mas que independentemente do tipo de atividade ofertada ou possível de ser executada o mais importante é estar inserido no mercado de trabalho.

fonte: https://www.cearaenoticia.com.br/2019/02/economia-trabalhos-formais-e-informais.html

*Planejamento Tributário: como pagar menos imposto dentro da lei?*

Hoje em dia os empresários se preocupam com a altíssima carga tributária que assola o país, incluindo as exigências para o cumprimento de inúmeras obrigações acessórias e muitas com alto grau de complexidade e severidade. Porém, existem formas de se planejar e até mesmo de pagar menos impostos, porém sempre dentro da lei. O contador e consultor financeiro, Marcos Sá, deu algumas dicas para os empreendedores que desejam começar um planejamento nesse início de ano.

_Confira:_

*Projete cenários para o seu negócios*
Um panorama da atual situação do país e de como está o seu negócio deve ser feito assim que o ano inicia. Posteriormente, de acordo com Marcos Sá, é necessário desenvolver algumas análises comparativas. “É preciso considerar o comportamento histórico de seus negócios e as expectativas em relação a este ano”, disse.

*Compare os regimes tributários*
Muito microempreendedores, por exemplo, adotam o Simples Nacional. Ele contempla empresas com receita bruta anual de R$ 4,8 milhões em 2018 e é mais simplificado que os demais, mas nem sempre é o mais adequado em termos de economia tributaria. “Há outras opções como o Lucro Presumido e o Lucro Real, que são opções também encontradas pelos empresários, mas todos esses meios devem ser avaliadas diante do perfil da empresa, produtos e classificações fiscais, custo com pessoal, dentre outros”.

*Impacto no Fluxo de Caixa*
É correto afirmar que quanto maior for a empresa e mais complexa a sua atividade, mais complexo será o seu planejamento. O consultor financeiro e contador, Marcos Sá, explicou que como regime de tributação impacta diretamente no fluxo de caixa do empreendimento. “Por meio do Simples Nacional você ganha 20 dias de prazo para pagamento. Já no Lucro Real, você ganha 25 dias pra pagar o PIS e a Cofins e 30 dias de prazo pra pagar o imposto de renda e contribuição social. Já no Lucro Presumido você ganha até 90 dias pra pagar, pois ele te dá a opção de dividir o imposto de renda e a contribuição em até 3 parcelas corrigidas pela Selic. Porém, vale ressaltar, tudo depende do que o empresário pretende e de como ele quer fazer esse planejamento”, concluiu.

fonte: https://www.cearaenoticia.com.br/2019/02/economia-planejamento-tributario-como.html